Entenda como a Ásia está preparada para ser protagonista no crescimento da LVMH

Entenda como a Ásia está preparada para ser protagonista no crescimento da LVMH

A LVMH celebrou outro ano recorde em 2022, quando o conglomerado anunciou receitas totais de 79,2 bilhões de euros, o que representa um aumento de 23 por cento em comparação com 2021. O lucro líquido aumentou 17 por cento, atingindo 14,1 bilhões de euros no mesmo período comparativo.

Embora o crescimento durante todo o ano tenha sido de dois dígitos, as vendas do quarto trimestre cresceram apenas 9 por cento, que é o período desde 2020, mas ainda acima da previsão de consenso de um aumento de 6 a 7 por cento, segundo analistas.

A proprietária das marcas mais luxuosas do mundo, como Louis Vuitton, Dior e Tiffany & Co., citou que, apesar dos atuais desafios econômicos e geopolíticos, pode “criar desejo”. Mas olhando os resultados mais profundamente, notamos que a aceleração que a LVMH costumava ter desacelerou nos últimos trimestres.

Muitas das suas vendas estão intrinsecamente ligadas à economia e às políticas da China. As rigorosas medidas de bloqueio e quarentena da Covid-19 impactaram as vendas de luxo em todas as marcas. Isso reflete na queda das receitas orgânicas na Ásia, que caíram 8 por cento nos três meses até 31 de dezembro.

Entenda como a Ásia está preparada para ser protagonista no crescimento da LVMH
Dior Homens FW23

A LVMH informou que as vendas em outros mercados importantes, como Europa, Japão e América do Norte, tiveram ‘forte crescimento nos negócios’ à medida que as viagens internacionais foram retomadas. Em particular, a Europa registrou um aumento de 22 por cento, enquanto do outro lado do Atlântico, os EUA cresceram apenas 7 por cento. Jean-Jacques Guiony, diretor financeiro da LVMH, explicou que o dólar americano mais forte levou muitos compradores a migrar para a Europa, onde fazem suas compras.

Entre os diferentes grupos, o CEO e Presidente Bernard Arnault fez questão de destacar que seu grupo de moda e couro continuava a ser o núcleo de seu negócio.

As receitas da Louis Vuitton ultrapassaram os 20 bilhões de euros pela primeira vez, enquanto Celine duplicou para mais de 2 bilhões de euros sob o comando do diretor criativo Hedi Slimane. Na Dior, seus produtos continuam sendo populares entre os compradores e as apresentações dos desfiles são fonte de inspiração para muitos.

Nas maisons de relógios e joias, registrou um crescimento de receitas de 18 por cento em 2022, enquanto o lucro de operações recorrentes aumentou 20 por cento. Na vanguarda está a Tiffany & Co. que viu sua receita de alta joalheria duplicar, e outros produtos como a coleção de pulseiras Lock tiveram grande sucesso nos EUA.

As coleções de Alta Joalheria e Alta Relojoaria da Bvlgari continuam sendo seus principais impulsionadores, como a linha Serpenti e o recordista Octo Finissimo Ultra.

Em outros lugares, o recém-lançado Carrera Plasma da TAG Heuer inaugurou uma nova era na relojoaria com a adição de diamantes cultivados em laboratório, e a Hublot esteve no centro das atenções como cronometrista oficial da prestigiada Copa do Mundo de Futebol de 2022, no Catar.

Mudança de Guardas

Entenda como a Ásia está preparada para ser protagonista no crescimento da LVMH
A família Arnold

Além do crescimento espetacular, o grupo LVMH também passou por diversas mudanças em seu nível de gestão. O CEO de longa data da Louis Vuitton, Michael Burke, deixou o cargo para assumir a função de consultor dentro do grupo, enquanto Pietro Beccari, CEO da Dior, será seu sucessor.

Por sua vez, a presidente executiva de produtos da Louis Vuitton, Delphine Arnault, a filha mais velha de Bernard Arnault, se tornará CEO da Dior.

As mudanças dentro do conglomerado familiar sinalizam uma necessidade de renovação contínua, que Bernard Arnault explicou: ‘Em uma grande empresa, como em qualquer organização humana, é preciso evoluir. Acho muito ruim manter uma forma de organização que leva ao espírito de rotina.’

Apesar dessa mudança significativa, Bernard Arnault rejeitou os rumores de que deixaria o cargo de CEO e Presidente. O conselho de administração da LVMH concordou em alargar a idade de reforma para os 80 anos – em linha com a nova política francesa.

Um foco na Ásia

Entenda como a Ásia está preparada para ser protagonista no crescimento da LVMH
Entenda como a Ásia está preparada para ser protagonista no crescimento da LVMH

Com base nos resultados financeiros, a quota de vendas da Ásia é uma das menores, mas o grupo está recentrando seus esforços na região. O maior grupo de luxo do mundo anunciou novos embaixadores da marca em suas Maisons nos últimos meses, como Jimin do BTS na Dior Men, Taeyang do Big Bang na Givenchy, Park Bogum na Celine, Hyein da NewJeans na Louis Vuitton e Lee Minho na Fendi.

Essas nomeações falam da nova área de foco da LVMH – a Ásia. Um relatório do Morgan Stanley estimou que o gasto total dos sul-coreanos em bens de luxo cresceu 24%, atingindo 16,8 bilhões de dólares.

O país gastou mais do que grandes potências como os EUA e a China, tornando-se o maior consumidor de bens de luxo. Faz sentido que o grupo esteja investindo mais recursos na região, com shows spin-off e vitrines especiais para conquistar uma maior participação de mercado.

Assim, a tarefa dos novos embaixadores asiáticos nas várias Maisons é capitalizar a ascensão dos ídolos asiáticos, especialmente das celebridades sul-coreanas.

No entanto, seria negligente ignorar o potencial que a China detém, apesar de não ter o maior apetite pelo consumo de luxo. O Reino Médio é a segunda maior economia do mundo, e muitos setores dependem deste enorme país para crescer.

É um segredo aberto que a economia chinesa tem abrandado nos últimos dois anos, o que pode ser em parte devido às políticas rigorosas de zero-Covid que o governo tem aplicado, o que inevitavelmente prejudicou a economia.

O governo chinês compreende a necessidade de revitalizar o país, por isso levantou a proibição de viagens internacionais e eliminou a necessidade de quarentena. Com as viagens agora possíveis, empresas como a LVMH esperam que isso ajude a compensar a queda no número de vendas no Ocidente, à medida que a inflação crescente e os desafios geopolíticos diminuem os sentimentos dos consumidores.

Estou bastante confiante de que os líderes chineses, sendo muito astutos, certamente aproveitarão o período que começa para revitalizar o crescimento chinês. Se for este o caso, e vimos sinais disso em janeiro, então temos todos os motivos para estar confiantes, até mesmo otimistas, em relação ao mercado chinês”, compartilhou Bernard Arnault com analistas na divulgação dos resultados financeiros de 2022.

Além disso, os viajantes internacionais da China provavelmente escolherão destinos próximos do país, como Singapura, Tailândia e Coreia do Sul. Portanto, seria dada mais ênfase na região ao envolvimento contínuo com os clientes chineses. Os países do Ocidente provavelmente verão o regresso dos turistas internacionais no segundo semestre de 2023.

“O Grupo prosseguirá a sua estratégia focada no desenvolvimento da marca, sustentada na inovação e no investimento contínuo, bem como na busca constante pela desejabilidade e qualidade em seus produtos e em sua distribuição”, conclui o comunicado de imprensa de resultados financeiros de 2022.

“Impulsionada pela agilidade de suas equipes, pelo seu espírito empreendedor e pela sua presença bem diversificada nos negócios e áreas geográficas onde seus clientes estão localizados, a LVMH entra em 2023 com confiança e, mais uma vez, estabelece o objetivo de reforçar a sua posição de liderança global em bens de luxo.”

Fonte: Luxuo

Compartilhe esse artigo

Inteligˆência Emocional

Sumário

Artigos Relacionados