Por que um hotel de luxo Louis Vuitton pode não ser mera especulação

Por que um hotel de luxo Louis Vuitton pode não ser mera especulação
101 Champs Elysée – Credit SRA Architectes

Sussurros têm circulado entre a elite da moda e da propriedade de que a Louis Vuitton pode estar planejando o lançamento de um novo hotel de luxo Louis Vuitton em um dos locais mais famosos do planeta, a Champs-Élysées. Embora isso possa ser um mero boato no momento (talvez uma ilusão), a Viva o Luxo avalia sua possibilidade e por que se aventurar em hotéis de luxo pode ser o próximo passo apropriado para o gigante da moda.

A LV está atualmente trabalhando na expansão global. Em julho, Bernard Arnault, da LV, anunciou planos de patrocinar os Jogos Olímpicos de Verão de 2024 num acordo inédito que implica um pagamento de 166 milhões de dólares (ou aproximadamente 150 milhões de euros) e incluirá medalhas Chaumet e vinho Moet Hennessy. Espera-se que a medida atraia olhares internacionais do mundo do desporto e do estilo, algo que a LVMH pretende alavancar para o crescimento da notoriedade da marca e da afinidade potencial por associação de atletas. É uma medida que Arnault diz acertadamente, “contribuirá para aumentar o apelo da França em todo o mundo”.

Em seguida, (ou melhor, antes disso) Pharrell Williams foi nomeado o novo diretor criativo da moda masculina Louis Vuitton em fevereiro. A sua nomeação faz com que ele suceda ao seu antecessor, o falecido Virgil Abloh e, como diz Pietro Beccari, Presidente e CEO da Louis Vuitton, “a sua visão criativa para além da moda conduzirá, sem dúvida, a Louis Vuitton a um capítulo novo e muito emocionante”.

É claro que isso se deve em grande parte à experiência de vinte anos de Pharrell Williams em música, arte e, claro, moda, estabelecendo-se como um “ícone cultural global”, como diz a Louis Vuitton. Williams sem dúvida tem uma forte influência na indústria musical, mais uma vez outro setor que a Louis Vuitton pode querer explorar, de forma semelhante (talvez de forma controversa) a como Adidas e Balenciaga se uniram a Ye, também conhecido como Kanye West, para uma coleção colaborativa que, na época, viu um sucesso retumbante.

Por que um hotel de luxo Louis Vuitton pode não ser mera especulação
Louis Vuitton (estendido) Loïc Prigent

Música, desporto e, mais recentemente, o mundo do streaming de áudio. No dia 14 de setembro, a Louis Vuitton lançou um podcast exclusivo para levar os ouvintes “numa viagem ao lado dos visionários que ajudam a escrever a história cultural da Louis Vuitton”. Apelidado de “Louis Vuitton (Extended)”, o podcast é apresentado por Loïc Prigent, um renomado jornalista de moda e documentarista francês.

O podcast é um mergulho bimestral de 20 a 40 minutos no coração da Maison, que apresentará as muitas mentes criativas e personalidades por trás dos audaciosos eventos e colaborações da Louis Vuitton, incluindo Nicolas Ghesquière, diretor criativo de coleções femininas; Jacques Cavallier Belletrud, Mestre Perfumista e Francesca Amfitheatrof, diretora artística de Relógios e Joalheria.

Por que um hotel de luxo Louis Vuitton pode não ser mera especulação
Louis Vuitton (estendido) Pharrell Williams

Então, quem a Louis Vuitton apresenta em seu episódio inaugural? O próprio “ícone cultural global” acima mencionado e talvez o nome mais reconhecido internacionalmente no universo Louis Vuitton, Pharrell Williams. No primeiro episódio, Loïc Prigent falou com Pharrell Williams sobre sua primeira coleção masculina primavera/verão como diretor criativo masculino da Louis Vuitton, novamente aproveitando o “hype” da cultura pop em torno da nomeação e coleção de Pharrell.

Tudo o que a Louis Vuitton fez até agora foi tanto ressoar com a clientela da Louis Vuitton quanto expandir para um novo público. Pode-se argumentar que uma recente revisita a uma das coleções colaborativas de maior sucesso comercial da história da casa francesa, com Yayoi Kusama, foi ao mesmo tempo um movimento tático de negócios e um movimento nostálgico, pois foi apropriadamente cronometrado 10 anos após o lançamento da primeira coleção.

Por que um hotel de luxo Louis Vuitton pode não ser mera especulação
103 Champs Elysées

De volta ao potencial hotel cinco estrelas da Louis Vuitton, segundo fontes próximas do mundo imobiliário, a Louis Vuitton poderá estar em obras para abrir o seu primeiro hotel no número 103 da avenue des Champs-Élysées. Um imóvel de primeira qualidade muito procurado, conhecido pela sua localização estratégica, visibilidade para o público em geral e onde a Dior poderá planear estabelecer a sua nova sede e abrir uma loja principal.

Segundo a Fashion Network, o imenso edifício, totalizando 22 mil metros quadrados, é considerado o maior edifício dos Champs Elysées, “a avenida mais famosa da Europa”. LUXUS Plus informa que o prédio 103 está atualmente coberto por uma enorme lona branca, ele próprio coberto com vários designs da Dior e que a mudança de número entre as duas casas é resultado de uma luta interna após a nomeação em fevereiro de Pietro Beccari como CEO da Louis Vuitton. A LUXUS Plus informa ainda que a gigante do luxo poderá gastar cerca de 60 milhões de euros por ano apenas com o aluguer do edifício, que pertence à família real do Qatar.

Se os rumores acabarem sendo verdadeiros, isso tornaria a Louis Vuitton a mais recente marca de luxo a se ramificar na indústria da hospitalidade, juntando-se a nomes como Palazzo Versace da Versace, Bulgari Hotel & Residences da Bulgari (que faz parte do Grupo LVMH), Hotel Missoni’s Missoni Kuwait, Armani’s Armani Hotel Dubai, The Karl Lagerfeld: Luxury Macau Hotel e Fendi Private Suites: Luxury Hotel Rome in City Centre.

Como a LV já conquistou o mundo dos relógios e da beleza, a hospitalidade parece ser o próximo empreendimento da marca com a sua expansão, talvez para acompanhar o Cheval Blanc. A mudança acabaria por permitir que a clientela da Louis Vuitton vivesse uma experiência de marca totalmente conceituada. Em maio, os eleitores em Beverly Hills rejeitaram uma proposta da LV de Bernard Arnault para construir um hotel ultra-exclusivo em Rodeo Drive depois de o grupo de luxo ter gasto “2,9 milhões de dólares na sua campanha para obter aprovação nas urnas”, segundo o Financial Times. . Talvez os parisienses sejam mais receptivos à ideia?

Fonte: Luxuo

Compartilhe esse artigo

Inteligˆência Emocional

Sumário

Artigos Relacionados